Arquivo

Posts Tagged ‘de moura’

Tecnologia israelense ‘anti-vândalos’ é testada no estádio do Pacaembu


26 de março, 2012

 

Por meio de um software de biometria facial, torcedor tem seu rosto registrado na chegada e passa a ter comportamento vigiado à distância

 

Uma briga que envolveu cerca de 300 torcedores do Palmeiras e do Corinthians – times que se enfrentam pelo Campeonato Paulista – deixou um jovem de 21 anos morto e outro ferido na manhã de ontem (25/03) em São Paulo. Para tentar diminuir a violência do futebol, ao menos nos estádios, a Federação Paulista, em conjunto com a Polícia Militar de São Paulo, começou ontem mesmo a testar um moderno sistema de monitoramento de estádios.

Por meio de um software israelense de biometria facial, o torcedor tem seu rosto registrado na chegada e passa a ter seu comportamento na arquibancada vigiado à distância por meio do zoom de câmeras de alta definição. O sistema é semelhante a alguns já implantados em estádios europeus. Antes do jogo de ontem, ele já tinha sido utilizado em três partidas este ano (Corinthians x São Paulo, Palmeiras x Ajax e Palmeiras x Oeste), com apoio da Federação Paulista de Futebol e da Polícia Militar.

“Por se tratar de um projeto piloto, perguntamos à Federação e espalhamos seis câmeras nos locais mais sensíveis (onde geralmente ocorrem confusões) do estádio”, explica Anderson Luiz Carvalho, gerente de marketing do Grupo Policom, uma das três empresas envolvidas no projeto, ao lado da Abex Brasil e da NNW. A biometria, utilizada também em grandes eventos, aeroportos e até na fronteira de Israel, é capaz de identificar o torcedor que se envolveu em uma confusão por meio de um vídeo. “Não é necessariamente preciso espalhar câmeras pelo estádio todo. Posso analisar a imagem e, a partir dela, chegar à identificação do suspeito. A ideia é coibir a entrada de brigões nos estádios”, completa.

Para o coronel Marcos Cabral Marinho de Moura, presidente da comissão de arbitragem, a identificação do torcedor servirá para punir os culpados envolvidos nas confusões e pôr fim à sensação de impunidade. “Não tem como fugir do sistema, e quando todas as entradas estiverem vigiadas o problema estará praticamente resolvido”, disse.

A intenção é que, em posse de imagens ao vivo ou gravadas de eventuais confusões – não apenas brigas, mas também roubo de carteiras, uso de drogas –, a polícia construa uma base de dados com torcedores problemáticos reconhecidos a partir de biometria facial. Todas as pessoas são registradas por câmeras de 2 megapixels na entrada e vigiadas com nitidez por outras de 16 e 29 megapixels dentro do estádio.

“Temos hoje uma legislação moderna. O que falta realmente é um serviço de inteligência como esse”, elogiou Paulo Castilho, promotor do Ministério Público de São Paulo. “Precisamos colocar esses marginais, maus torcedores, que na verdade são bandidos, atrás das grades. Isso é uma responsabilidade do Estado”, conclui.

Este tipo de medida já foi utilizado em estádios da Europa e em competições como a Champions League e a Liga Europa.

 

Por: Juaninha via Olhar Digital

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: